%11%
Para esquecer a dor devo sair do meu corpo?

Sim, sair desse corpo que sempre foge da dor.

Faço uma passagem, reencarno sem limites.

Saio e volto, para o mesmo corpo, várias vezes,
sempre diferente.

Um corpo já transmutado: em cicatrizes, cortes,
escamas e perfurações..

Mas nem pense que escarificar é a pior dor.

A pior dor é a de quem vive a escarificar a alma.

Por isso, a minha metamorfose está longe de ser
kafkaniana.

É uma dor que me ergue, emancipa a minha luta,
fortalece minhas conquistas.

É onde meu corpo se transforma numa cruz gamada.

A dor em si sendo mística: a minha própria suástica
em um corpo fortemente frágil.

Beyond Flesh

modelo Thiago Soares
fotos João Maciel & Rafael Medina
direção criativa Rafael Medina
texto Átila Moreno